quinta-feira, 1 de março de 2007

Mudando de Ares

Um texto meio sem nexo, porque eu gosto de falar de mim e, antes de contar a novidade do meu novo emprego, gostaria de contar um pouco sobre o antigo. É mudei de trabalho. Tão logo concluí a faculdade de engenharia recebi a proposta. Porém, com nunca contei nada sobre o que fazia na época em que estava lá (motivos diversos, entre eles a ciência do conhecimento do blog por parte de um monte de gente do local - eu e minha boca aberta), resolvi contar agora, porque nem eu mesma acredito que tenha tido a sorte e oportunidade de ter visto de perto e participado de tanta coisa que muita gente nem imagina ser possível nesta terra perdida feito São Paulo.
Trabalhava em um Loteamento Residencial fechado, em Jandira, município da Grande São Paulo em SP. Um local conhecido como condomínio, mas cumpre esclarecer que quase todos os assim chamados e constituídos de casa nesta região, não o são propriamente ditos. São sim loteamentos fechados, que diferencia da denominação usual pois nestes locais as ruas e áreas comuns são pertencentes a municipalidade, cabendo a associação dos moradores apenas cuidarem do acesso e manutenção. E nos condomínios as áreas comuns pertencem aos moradores, cabendo a eles o pagamento de IPTU inclusive das ruas, que deixam de ser vias públicas.
Eu era a responsável pela manutenção do Residencial, meu departamento, e tudo o que se referia a construção civil: fiscalizar obras, particulares e comuns a todos os associados (playgrounds, áreas de lazer, portarias), analisar projetos, cuidar da equipe de manutenção, orçar e comprar materiais, asfaltar ruas, dar consultoria a quem estava e/ou pretendia construir, dentre outras mil outras coisas.

Mas o local em si, além da riqueza profissional adquirida, pois tinha uma mini-cidade (1200 lotes) para cuidar e realizar toda sorte de obras, ao contrário de quem trabalha numa empresa de um ramo específico e acaba se especializando em uma coisa só, era uma maravilha, pois tinha ainda o contato direto com a natureza.
Ai que delícia, andar pelas ruas e cruzar com lagartos, esquilos, macacos. Entrar na mata e encontrar cobras, papagaios. Toda a espécie de árvores nativas, pau jacaré, ypês, minas d'água. Enfim, a natureza verdadeira margeando a civilização, ou fielmente falando, a civilização invadindo a natureza. Meio que acabando com ela.
Cobras entrando em casas, lagartos em motor de carros, ovos de urubus em quintal de casas, macaquinhos levando choques e caindo de fios de alta tensão e por aí vai... Era triste, apesar de tão bonito este contato. Aprendi a respeitar os animais, e que não podemos simplesmente sair desmatando e construíndo ao bel prazer e vendo o desespero dos pobrezinhos que provocam o horror na pessoas que nem ao menos se tocam que foram elas que criaram isto.
Agora, acabarei trabalhando em um ramo diferente, terei mais contato com os seres humanos do que com os bichos, mas ficará o gosto de mais uma experiência vivida com sabor de aventura que ficou no passado... Só o fato de eu mesma ter presenciado tudo isto para acreditar.
Quem quiser fuçar, tem mais fotos aqui.

Um comentário:

Vivian Nascimento disse...

Engraçado como o homem esta preocupado com lucros, visão financeira... Não se estabele mais cotatos com a natureza de maneira ajudadora... Dura realidade, mas te faz crescer e ser mais sábia do que hoje tu és..

Abraço e boa semana!