terça-feira, 24 de março de 2009

Está chegando a hora de ir...

Depois, quando O Clone acabar, e o milhão de providências para eu resolver antes da hora da mudança, eu venho contar.

Só para esclarecer:

O prefeito aí do post de baixo é o prefeito que é o meu chefe. O novo chefe da cidade que eu trabalho... Se eu xingasse, quase na porta do trabalho (que é a prefeitura) quem ía fazer barbeiragens era eu.

terça-feira, 17 de março de 2009

Me livrei de uma...

Gente, eu lembrei que tenho blog (logo vou "lembrar" que meus amigos também têm - esperem O Clone acabar, please).

E eu estava esquecendo de contar uma coisa engraçada. Eu e meu jeito paga mico de ser. Vivo pagando mico, caindo, derrubando e mexendo com a pessoa errada.

Desta vez Deus deu um jeito de me segurar.

Estou indo, mais uma vez em cima da hora para o trabalho, e quando isto acontece parece que todos os lerdos do mundo resolvem colocar o carro na minha frente e fazer barbeiragens.

Não sou de segurar o verbo não. Buzino, xingo, pergunto se não tem seta e etc. Porque gente com porte de arma sem saber usar na minha frente é a morte.

Eis que pertinho da prefeitura, um ser resolve parar o carro no meio da rua, começa a conversar com uns funcionários da limpeza do município.

Decido ultrapassar. O "esperto" resolve sair na mesma hora, sem dar seta. E ainda na minha frente anda, tomando conta das duas pistas da rua, a passos de tartaruga.

Tudo bem, resolvi nem mexer com a pessoa. Estava chegando, faltava pouco, resolvi poupar a fadiga.

Pessoas, vocês não sabem do que me livre? Quando ele faz a curva, devagar, claro, na minha frente eu vislumbro no banco do motorista, dirigindo o carro maledeto, o perfil de nada mais nada menos que o prefeito da cidade em que trabalho.

Ufa, esta foi por pouco.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Maktub

Surpresa teoricamente é uma coisa inesperada.
Mas, tem acontecimentos na vida de um ser humano, que procura acreditar sempre na bondade humana, que nem sempre é inesperado, ou não é o que se poderia chamar de surpresa. Tantos sinais, tantos avisos e deslizes... Surpresa seria se não acontecesse.
Complicado?
Complicado é perceber os furos de sempre, os erros cometidos há anos luz, as promessas sempre deixando de serem cumpridas, a personalidade se revelando uma farsa em busca de aplausos.
Um dia a máscara cai. Maktub (estava escrito).

O bom disto tudo é que quem sabe desta vez viro PHD em descobrir com antecedência as facetas dos que querem te transformar em divã, te usar por longos períodos, até se consertar e desfrutar a felicidade nos braços de outra.

Estou de mudança...