terça-feira, 14 de agosto de 2007

Já volto...

... vou dar um pulo na macumba.

sábado, 11 de agosto de 2007

Gripe em cima de gripe

Puta que o pariu! Sou uma pessoa que apesar de não comer legumes e verduras, quase nunca ficava gripada... Acho que devo compensar a falta dos nutrientes destes espécimes em todo o outro tipo de comida que não regulo, como até ficar com "cheiúra".
Mas, também sou o tipo de pessoa que "de graça até injeção na testa", e daí que para os funcionários da prefeitura, vacina da gripe à vontade... Não foi na testa, mas no braço.
Só que para pagar o pato do meu enxerimento (encherimento?) , há quase três meses depois da bendita, contabilizo cinco gripes fortes, incluindo aí uma bela rouquidão...
Ano que vem nem de graça... Se bem que pagando bem...

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Que bagunça!

Aos amigos que perceberem que eu voltei ao ver este monte de post por aí...
Minha mãe me disse: "Filha este seu namoro já está ficando sem moral, de tanto vai e volta..."
Pois é, voltei! Voltamos...
E, ao contrário do meu pesadelo, ele não foi embora e resolveu dividir tudo comigo!

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Nada de Blog

O blogspot está fora do ar para usuários do Speedy, Terra, Uol ou sei lá o quê... Mais informações aqui. O que importa é que isto acontece justamente numa época em que a única vida que me importa no momento é mesmo a minha... Quer dizer, a vida da Cacilda Becker me importa também... Ando lendo, num ritmo não tão alucinado quanto o meu normal, a biografia desta mulher. Onde tudo o que eu sabia era que tinha sido uma atriz e que há um teatro com seu nome.

Porém, numa "baciada" do supermercado Extra (que vive fazendo isto), adquiri o livro Cacilda Becker - Furia Santa por módicos R$9,90 e, se o trabalho dela não conheci (talvez nem venha a conhecer - registros?), pelo menos da sua vida e personalidade esta biografia destrincha de modo surpreendente.

Mas, surpreendente mesmo é sua história... Virou minha ídola. Que mulher, que garra, que determinação! Viveu para o teatro. Tanto que num palco morreu, representando...

De resto, tão sem tempo. E quando me resta um, ocupo-me com treinos de dança do ventre - alguns passos que para mim não saem tão naturais da primeira vez quanto nas pessoas normais. Sou tão descoordenada motoramente falando... Se bem que, em filmes, até as pessoas com dom de dança precisam de treinos para ficarem boas para a apresentação final, considero que estou bem, para quem teve apenas quatro aulas...

PS: salvando como rascunho no Windows Live Writer, sem vontade de blogar tão coletivamente...

terça-feira, 7 de agosto de 2007

Reunião com o Prefeito


Hoje teve mais uma reunião com o prefeito. Desde que eu entrei lá em fevereiro, tiveram três ou quatros destes encontros.

Eu acho legal. Até porque nunca trabalhei em prefeitura antes e, tampouco ouvi dizer de prefeitos que fazem reuniões em massa com os funcionários.

O assunto é quase sempre o mesmo: dizer que não exige filiação politica (e não exige mesmo), dizer que gostaria que as pessoas vestissem a camisa do governo, pelo bem da cidade; votar em que dia ou não poderemos fazer um determinado mutirão; mostrar que ele chegou aonde ele chegou mas, sempre trabalhou muito para isto; mostrar os progressos que andam acontecendo graças ao trabalho de todos nós; e, principalmente,tentar conscientizar sempre, que é com trabalho que se chega lá, que quem enrola e acha que está sendo espertinho, no fundo tem aquele troço de talvez estar enganando a si mesmo...

Lances até meio que auto-ajuda (que eu abomino) porém, infelizmente, sei que é necessário para muitos funcionários... E sem ser preconceituosa, talvez já sendo, vejo que este tipo de pensamento ocorre com os trabalhadores que executam funções mecanizadas, repetitivas, ou que não exigem muito raciocínio - falta o conhecimento de que o trabalho de cada um é importante para o funcionamento da máquina.

Felizmente, no meu departamento, vejo que todos os envolvidos nos projetos, vibram a cada nova conquista, a cada nova fase de aprovação dos projetos dos conjuntos habitacionais junto à Caixa e aos demais órgãos (tais como Meio Ambiente, CETESB, etc.)...

No fim, nem gostaria de ficar dizendo sobre o meu trabalho novamente. Que eu amo de paixão. Mas, sim registrar o fato deu achar legal (embora os horários nem sempre sejam bons para mim) um chefe, como um prefeito, se preocupar em estar sempre conversando com seus colaboradores.