segunda-feira, 16 de julho de 2007

Pensamentos e achismos

Eu já disse aqui antes, que eu penso que as pessoas que pensam mal de todo mundo, devem se julgar por elas. Mas, às vezes, me pego pensando que atos, que certas pessoas fizeram, são do mal... Aí, penso também que se eu estivesse no lugar delas, não agiria como hipoteticamente eu acho que elas agiram... Daí que a minha lógica não é tão lógica assim... (não era para ser entendida mesmo).

Fiquei pensando também em outra coisa antes de o sono vir, e eu decidi escrever aqui, como há muito não fazia. Descobri que talvez eu não esteja sofrendo tanto de amor, porque lá no fundo, eu ainda alimente a chance de que o que eu terminei, pelo fato do J. não ser como eu gostaria que fosse, seja revisto por ele... E que ele voltará um dia. Mas, daí que sonhei esta noite, e ele me abandonava para sempre... E eu sofri.

Então, que hoje, decidi tirar o dia só para mim (e o Nakombi), como há muito não fazia... Precisava de um dia para "bundar" mesmo. Comer besteiras alternando entre doce e salgado... Não tirar o pijama... Ler compulsivamente a metade final de um livro para descobrir como terminaria a história.

Peço desculpas pelo sumiço, mas acho que (estou achando tanto hoje), que a apatia está tendo um fim... Voltarei em breve.

sexta-feira, 6 de julho de 2007

Ah, esta dor

Porque mais uma vez eu sinto dor, a dor no coração (mas, é na cabeça, no pensamento) que dói na alma de um jeito que chega a doer no corpo...
Porque mais uma vez não fui feliz no amor. Ainda não.
Porque, talvez, eu seja mesmo alguém que não veio nesta vida para amar e ser amada.
Que possa sonhar com filhos, cachorro, uma casa com quintal.
Porque, eu acho e, tenho cada vez mais certeza, que em outras vidas, devo ter sido, puta, piranha, profana...
Devo ter tido amantes aos montes. Traído.
Porque eu acho que minha mãe deve estar certa ao achar que eu nunca serei feliz no amor...
Mas, eu ainda espero, esperarei o resto da vida, porque esta sou eu, aquela que acredita no sentimento, na bondade humama.
Que não tem medo de se entregar.
Perder dói, só que não mata.
Talvez não dê tempo de ter filhos. Já tenho 30.
Talvez tenha apenas o cachorro e o quintal.
Porém, certeza terei de uma coisa, eu nunca desisti de cuidar do meu jardim.

quinta-feira, 5 de julho de 2007

...

Sei lá mas, sabe quando se sente tanta coisa que tudo pára e parece que não se está sentindo nada? Não. Nem eu. Ou, talvez seja o contrário, talvez não esteja sentindo nada procurando um evitar sentir...

Ao mesmo tempo que sinto não sentir nada, sinto minha alma se revirando num turbilhão de sentimentos que deveriam ser sentidos... E vira apatia. Nem dor, nem sorriso. Apenas um viver, como se fosse obrigação, mas, que não é ruim...

Acho que  a fase boa neutraliza o que deveria provocar a fase ruim. Ou, a "fase ruim", deveria ter vindo mesmo nesta hora... A hora em que os ansíolitos e antidepressivos dominam meus neurotransmissores.

É, estou bem.

domingo, 1 de julho de 2007

Vestibular

Desisti de prestar vestibular já na porta da escola (eu ía tentar uma terceira faculdade).
- Estou cansada;
- Estava sem vontade;
- Acho que não tenho coragem de estudar de novo;
- E, meu coração agora é sozinho novamente.