quarta-feira, 2 de agosto de 2006

... e minha loucura não tem limites

Caramba, eu tenho uma necessidade enorme, que vem não sei porque lá de dentro de mim, em entender nossa existência.
Chega a ser sufocante em certos momentos, principalmente nos momentos pós-sono-mal-dormido, ou melhor definindo, mal acordados.
Já postei antes neste blog falando sobre o assunto:
http://carlacharmosa.blogspot.com/2006/07/cair-para-cima.html#links
Hoje ocorreu novamente.
Tive a oportunidade de viajar no assunto em Anjos e Demônios de Dan Brown, onde o cientista-religioso assassinado no livro era um ás do assunto.
Ele conseguiu provar no texto a possibilidade de nascer matéria partindo do nada, mas nada mesmo, no vácuo.
E, ainda que, o que ele prove seja verdade - não averigüei junto ao mundo cientifico a veracidade (risos) - isto sana só um pouco da curiosidade...
Ou nada da minha curiosidade.
Mas ainda não responde a questão: de onde veio Deus? e porque Ele (se foi Ele mesmo) quis fazer isto?
Porque minha questão é mais filosófica: saber o porquê de tudo.
Ai céus, em épocas remotas seria queimada na fogueira da inquisição por ousar pensar tais absurdos...
Ou, alguém de “hoje em dia”, possa me classificar como uma pessoa com mentalidade de criança de cinco anos – querendo saber o “porquê” de tudo.
Até eu quero me internar num hospício por insistir em querer saber tudo isto.
E também não sei responder por que eu quero saber tudo isto.
Será que um dia terei resposta?
O porquê somos, existimos... e por que eu quero saber sobre...
Como foi possível antes de tudo isto um dia haver nada e hoje haver coisas consistentes, feitas de matéria? (Ih, já esbarrei nesta questão antes!)
E também não esquecer dos espíritos, das almas, que não são de matéria, mas que existem, existem.
Bem, se viemos “do nada” e sem saber por qual razão, a existência de espíritos é apenas mais uma coisinha neste emaranhado de questões.
Mas acho que é melhor eu parar, já me comprometi demais.
Só para constar: estou orgulhosa de mim mesma, quatro pessoas jantaram comida "de verdade" na minha casa que eu mesma fiz.
Tá, confesso que exagerei, a quarta pessoa era contando comigo.
Mas todos gostaram, inclusive eu. E tinha feijão!

P. S.: Antes que me xinguem já vou explicando, o que eu conto sobre o livro do Dan Brown faz parte do enredo, ou seja, não estraguei o prazer da leitura de ninguém.

Um comentário:

Carol disse...

Eu não acredito em Deus...
O mais foda é que sempre essas dúvidas irão existir...
Vivo me fazendo perguntas, mesmo sabendo que não irei obter resultado...

Ps.: Tem certeza que vc realmente fez a escolha certa (ser engenheira)... Eu apostaria no Jornalismo... Cada texto lindo, perfeito, bem escrito, tá de parabéns...(claro né, é minha irmã) ;P

Te amo...