sábado, 1 de março de 2008

Ninho vazio

Nunca mais miadinhos por pura manha.
Nunca mais barriguinha para cima igual a um cachorrinho.
Nunca mais esperinha no portão ou corridinha de algum lugar onde fazia seus passeios chegando atrasado na espera da mamãe.
Nunca mais um ronronar coladinho ao corpo.
Nunca mais espantar o corpinho preguiçoso no tapete do banheiro.
Nunca mais olhar a carinha sentada na água do box depois de lamber a deliciosa água do chão.
Nunca mais ouvir o croc-croc das mordidinhas na ração.
Nunca mais salvá-lo das alturas perigosas ou dos gatões malvados das gangues de rua.
Nunca mais desacreditar que gatos têm medo de água ao vê-lo chegar enxarcado da rua.
Nunca mais vê-lo brincar com caixas de papelão, bolinhas de papel ou sacos plásticos.
Nunca mais disputar de volta meu carretel de linha.
Nunca mais tirar a mãozinha enxerida da gaveta de bijouterias.
Nunca mais ver a cabecinha entrando embaixo da mão para receber cafunés.
Nunca mais ouvir o tilintar do guiso da coleirinha chique com strass.
Nunca mais ser chamado de Cocada, por causa da gravatinha que teimava em ficar em pé.
Nunca mais precisar ser pego para tomar doses de remédios porque simplesmente queria ser maloqueiro como os outros e inventou uma sarninha teimosa.
Nunca mais bronca porque roubou o saco de pão.
Nunca mais a felicidade por uma comidinha proíbida, mas deliciosa.
Nunca mais disputar um lugar no travesseiro com a cabeça da mamãe, ou chegar de mansinho de madrugada para dormir pertinho dela.
Nunca mais um pulo de supetão no colo.
Nunca mais uma deitadinha em cima do estabilizador quentinho.
Nunca mais um passeio em cima dos projetos de trabalho da mãezinha.
Nunca mais uma cochilada preguiçosa no telhado, ou chão ensolarado pela manhã.
Nunca mais...






Por que Nakombizinho você não saiu debaixo daquele carro, por que eu que vi que você estava deitado ali não suspeitei que pudesse não se levantar?
Sentir seu corpinho embaixo da roda. Seu gritinho e a corrida desesperada que deixou até o médico de bichinhos surpreso por conseguir fugir com sua coluninha partida, seu corpinho partido ao meio.
O desespero das quase 36 horas de busca, às vezes ouvindo seu miadinho e pensando que não vinha porque estava com medo da sua mãezinha.
Você já não podia andar, não conseguia.
Sede, fome, calor embaixo daquela telha durante dois dias.
Seu corpinho sem respostas quando a mamãe te achou, esperando-me para dar um último miadinho e receber o último cafuné.
Esperando encontrá-lo para que a mamãe soubesse que você não estava com medo dela e sim querendo socorrinho, que a amava.
Meu pequeno herói.
O heróizinho que viveu pouco tempo, mas fez sua mãe tão feliz com sua presença.
Seu rabinho quebrado era seu charme, a barriguinha peluda que não se via pele, o sinal que vinha das sobrancelhas em direção às orelhas que lhe davam um ar diferente só seu.
A boquinha, os olhinhos...
A saudade dói demais, a casa está vazia Nakomilino, Nakombizinho, Nako, Nakombilindo, filhinho da mamãe.
Nakombi.
(12/03/2007-28/02/2008)

15 comentários:

Ludi disse...

Ai, nunca sei o que dizer nessas horas =/
Beijo
Fica bem

Anônimo disse...

Saudades sim.
Tristeza não!!!
Lembre apenas dos momentos de alegria, o que aconteceu foi uma fatalidade.
Onde ele está tenha certeza que ele vai estar olhando pela mãezinha dele com muito amor, pode ter certeza disso. E vai dar a maior força pra você superar essa passagem.
A gente nunca esquece aquele que realmente amamos. Eles sempre estarão presentes em nosso coração.
Um beijão com muito carinho, luz, harmonia e conforto nesse coração. Te amo muito!!!!!!

Lurdinha disse...

Saudades sim.
Tristeza n�o!!!
Lembre apenas dos momentos de alegria, o que aconteceu foi uma fatalidade.
Onde ele est� tenha certeza que ele vai estar olhando pela m�ezinha dele com muito amor, pode ter certeza disso. E vai dar a maior for�a pra voc� superar essa passagem.
A gente nunca esquece aquele que realmente amamos. Eles sempre estar�o presentes em nosso cora�o.
Um beij�o com muito carinho, luz, harmonia e conforto nesse cora�o. Te amo muito!!!!!! Lurdinha

luma disse...

Nada vai substituir Nakombi, mas arruma outro gatinho!! :) Beijus

Lulu on the Sky disse...

Ai q triste amiga.. puxa sinto muito mesmo.
Big beijos

JACKE disse...

Nossa Carlinha..
Imagino como deve estar chateada, afinal ama animalzinhos....
Querida... sinto muito pelo seu gatinho...

bjs
Fica bem...

Carolina disse...

Fico triste por você também, Carlinha

É perceptível o quanto você sente a falta dele, o quanto você sentiu a falta dele nas férias. Seu amor por ele.

É difícil perder um bichinho que tanto gostamos, como te disse até hoje sinto a falta da Babi e receio que você também sentirá a falta do Nakombi. Mas, assim é não podemos fazer nada.

Apenas espero que você não sofra tanto, porque nem o Nakombi gostaria disso.

Beijos,
Te amo ;*

Andréa N. disse...

Ai, que tristeza. Sinto muito, Carlinha. Ele era muito fofo e o amor que você deu a ele vai ficar. É a única coisa que se leva desse mundo. Ele já não sente dor, lembre-se disso. E tente esquecer as imagens ruins. Lembre-se dele somente por essas fotos fofas. Beijos solidários.

¤(`×[¤ Juzinhah ¤]×´)¤ disse...

poxa que triste.

eu acredito que os bichinhos vão pro céu sabe. todos eles. o seu deve estar lá. vc o verá de novo!

bjos

Flávia disse...

Oi Carlinha! Poxa vida, não sabia disso, senão teria aparecido antes. Nakombi vai sempre estar ao seu lado, podes crer. Sabe que quando eu perdi o Salim, que era igual ao Nakombi, prometi fazer uma tatoo em sua homenagem... Vou fazer, para te-lo sempre por aqui. E esse negócio que tu escreveste na Dea, falando sobre críticas de deixá-lo sair, menina, vc só pensou no melhor dele. Mesmo castrados, meus gatos adoram passear. Vão para o terreno do outro lado da rua, onde é o playground deles, caçar, brincar, subir em árvores. Morro de medo da rua, dos carros furiosos... Mas como privá-los do divertimento. Será que a vida é tão boa assim, ficando 24 horas dentro de casa, pulando da cama para o sofá, do sofá para o tapete? Comendo a mesma ração ou comidinha todo santo dia? Nem uma largatixinha? Nem um susto nos outros gatos e depois sair correndo dos gatos "selvagens" e entrar correndo dentro de casa, onde os cães-irmãos os protegerão? Ahhhhh fia, não dá para privá-los disso. Como uma mãe não consegue ficar 24 horas grudada nos seus filhos e protegê-los das coisas ruins do mundo, a gente também não consegue proteger integralmente nossos filhotes tão amados.
Fica tranquila e tenha paz. Dói, mas vc tem um coração muito grande e vai conseguir salvar mais "gente" por aí! E essa "gente" vai viver feliz contigo e te trazer novas alegrias.
Beijos e fica com Deus.

DO disse...

Poxa,Carlinha,nem sei o que dizer. Muito triste isto.
Gosto demais de gatos e imagino como vc deva estar se sentindo.
Beijão!!

Vinha disse...

Ai flor... Que dor...

Desejo força..

bjs!!!

Márcia(clarinha) disse...

Sinto muito, flor
Sem palavras
beijos

FaNa disse...

que triste... vou acabar copiando o início do seu post... estou passando mais ou menos pela mesma coisa... :(

Anônimo disse...

Tácilis (Passo Fundo-RS)
Ai que lindo o q vc escreveu sobre o seu gatinho...Hj estou muito triste, pq tinha acabado de fazer um laçinho para minha Pandora(minha gata) qdo chamei ela naum veio, qdo fui fechar a costina do meu quarto vi os cachorros da visinha em cima dela, mas já era tarde,ela jah tinha morrido!Foi horr´vel ver aquea cena ANIMAL mesmo!Ainda q tenho a filhota dela aki comigo q ainda está pequena.Mas ela era muito especial, pois aprendi gostar de gatos com ela!
Um abraço, fiquei emocionada em ler o seu texto!