quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Revolta

Queria que o que me revoltasse fosse apenas o fato de que meu corpo de biquíni não é mais o mesmo de que há 10 anos, porém tem coisas que conseguem irritar mais a quase balzaquiana aqui do que uma barriguinha saliente:
  • A Policia Florestal de São Paulo em vez de notificar o Governo Estadual que construiu um conjunto de prédios populares (do CDHU) sem sistema de coleta de esgoto, agora ocupado e que solta os dejetos de toda a população do tal empreendimento no córrego até então limpo por trás do residencial onde trabalho e que serve como fonte de abastecimento de água do condomínio vizinho, fica procurando multar responsáveis por árvores podadas que estavam colocando residências em perigo e pessoas em risco de morte. (Ah tá, o chefe de governo pode num rompante se sentir afrontado e transferir o autor de semelhante "disparate" para os confins do estado, melhor notificar e lucrar com o simples cidadão).
  • Aliás, quando se chama algum órgão para resolver problemas de árvores em risco de queda eles logo se esquivam. Bombeiro não corta árvore, só vem em caso de acidente. Eletropaulo também não, só aparece em caso de estouro de transformador. O DEPRN (Departamento Estadual de Proteção aos Recursos Naturais) coloca mil empecilhos quando se trata de um pedido deste porte, exigindo laudos de agrônomos e cobranças de taxas caríssimas, isto quando autorizam. (Sempre depois da desgraça, agora os grandes industriais continuam a manchar nosso solo e mar sem nenhuma grande punição).
  • Isto até me lembra a peregrinação e sofrimento da minha mãe para arrancar a mangueira defronte sua casa, na qual meu irmão provocou a própria morte por enforcamento. Nem com este tipo de argumento e o compromisso de plantar outras mudas eles a autorizaram a se livrar do objeto de recordação de fato tão chocante. Ela, infelizmente, teve que contar com a força de um parente "influente" no governo. (Uma árvore frutífera em uma calçada é tão significante, deve ser para minimizar os efeitos da devastação sem limites da Amazônia e da Mata Atlântica).
  • As áreas de preservação em volta das represas que abastecem quase toda a Grande São Paulo – Billings e Guarapiranga – são ocupadas de forma irregular, sem saneamento básico, onde os esgotos e lixo da ocupação poluíram as águas em sua totalidade, não são notificadas por nenhum fiscal. (Será que é porque os novos moradores do local não têm poder aquisitivo para pagar propinas ao contrário de proprietários de lotes em condomínios fechados?).
  • Meus vizinhos (moro num bairro residencial) colocam caixas de som no meio da rua, de altos decibéis, durante todo o final de semana, e a polícia diz para mim que não pode fazer nada, que não tem viatura suficiente, se eu quiser resolver o problema terei que ir à delegacia prestar queixa e aí sim “surge” uma viatura para me acompanhar ao local da "festa". (Depois meu vizinho ciente da reclamação me dá um tiro e ninguém me socorre, né? Mas em áreas nobres, eles imediatamente aparecem com medidor de ruídos).
  • O que explica então, quando vou a um churrasco no interior e me deparo com policiais amigos da anfitriã, de viatura e em serviço numa outra cidade para degustar uma picanha? Ou policiais em bate-papos com garotas em porta de escola? (Creio que para isto as viaturas e os homens são em quantidade suficiente).

Poderia ficar aqui torrando a paciência dos meus queridos amigos com mais outros fatos, mas concluo apenas com a gota d’água de ontem, quanto assistia a um telejornal e vi mais uma vez a policia intervir, de forma violenta, numa civilizada manifestação popular contra o aumento do salário dos parlamentares (socos, bombas de gás, spray de pimenta, tropa de choque...), tão violenta que por covardia agrediram repórteres e cinegrafistas que estavam registrando o fato. Um deles foi preso.

Caralho, as vezes sinto saudades de lembrar que sou mulher e ficar brava apenas por ter uma unha quebrada.

Update: acabei por corrigir o texto, onde lê-se "risco de morte" tinha cometido um crime à lingua portuguesa escrevendo "risco de vida", terrível vício de linguagem adquirido "ouvindo" TV, coisa que está sendo corrigida aos poucos neste intrigante meio de comunicação.

O puxão de orelhas bem dado foi de meu amigo Jhon. (Valeu!)

10 comentários:

Vera Fróes disse...

Carlinha, essas coisas me incomodam tbm. Para certos delitos as autoridades ignoram o cidadão e permitem a bandalha e a gente sem ter para onde correr. Para outras coisas, às vezes até insignificante, a lei é cruel. Não dá para en tender, dois pesos duas medidas.

Bjos.

DO disse...

Vou resumir meu "estado" atual,Carlinha: estou com vergonha deste país e deste povo desgraçadamente imbecil.
beijos!

marilia disse...

Carlinha querida1 estou em falta com vc! mas, a desculpa é boa...minha filhota chegou e eu ainda estou matando a saudade...
concordo com vc! tenho que admitir que a gente esta inerte , sem reação além da perplexidade diante de tanta aberração!
mas, eu duvido que sua barriguinha tenha mudado...( rsss)
Beijão, e intéeee

Patty disse...

Carlinha
Tantas coisas q incomodam a gente e o pior é o estado de impotência q sentimos.

Mas, não podemos desistir de falar não. Um dia quem sabe a coisa muda?
A posição de carneirinhos só nos leva ao abate sempre.

Um beijo e bom dia!!!

Loira em Fuga disse...

é foda!!!
sinceramente???
total desanimo com o país, e principalmente com o governo..
votem no Lula de novo cambada!!!

B-jos

Leonardo disse...

que merda!!! :(

Márcia(clarinha) disse...

Vergonha e impotencia esses são os sentimentos que me dominam, ahhhhh! raiva também desse povinho de merda que troca voto por cesta básica, dá nisso, óh!
Se cuida,flor
beijossssssss

Bruna disse...

Tem razão de ficar indignada. É muito absurdo junto!!

Um grande beijo

luma disse...

WOW tudo vem de berço!! Respeitar a si mesmo é respeitar o próximo e a natureza. Controle de natalidade fia, tem muita gente no mundo! Beijus

Lulu on the sky disse...

Olha Carlinha, eu tb não tenho mais o corpinho de antigamente, mas a gente vai levando..