quinta-feira, 2 de novembro de 2006

Finados

Não deixando a data (que nada tem de comemorativa) passar em branco, escrevo uma historia real de arrepiar os cabelos da peruca:

Minha avó paterna, amada e querida, já havia morrido há alguns anos e meu avô vivia falando aos quatro cantos do mundo que quando morresse queria ser enterrado junto dela.
Bem, minha família nunca se deu ao trabalho de comprar uma tumba comunitária - eis um dos meus medos de morrer e ser enterrada no Cemitério do Ariston em Carapicuíba, dizem que quando chove alaga tudo e dá para ver os pés dos defuntos, isto se a família não for assaltada na hora da despedida final, cruzes.
Voltando ao assunto, como minha família não é proprietária de um terreno neste tipo de condomínio – minha avó foi enterrada na cova cedida pela família de sua irmã. O sonho do meu avô pouco tinha chance de ser concretizado, claro. Minha avó era irmã da dona do terreno, meu avô... Bem deixa pra lá.
Minha mãe, bem realista/escrachada/sincera dizia: “Seu Justino, o senhor não vai ser enterrado lá não. Até parece! Mas, não se preocupe que a gente dá um jeito, nunca vi defunto abandonado na rua!”
Eis que meu vovozinho morre. Onde enterrar?
O marido da minha tia, que não é parente dele (genro é parente?), confabulou com a família dele e arrumou um “buraco” num cemitério para meu avô finalmente descansar em paz.
E, pasmem, São Paulo é enooorme, tem zilhões de cemitérios e cada um deles de proporções gigantescas (dá até medo de se perder dentro) e a tumba da família deste meu tio (marido da filha do meu avô) que não tem nenhuma ligação com a família da irmã da minha avó era no mesmo cemitério. E mais inacreditável ainda: as duas covas ficavam (ficam) a alguns passos, na verdade uma calçadinha de uns 90 centimetros, de distância!
O último sonho do meu avô finalmente se concretizou, seus restos mortais jazem em paz ao lado da sua amada.

É ou não um grande causo de finados? Eu só acredito porque eu vi.

11 comentários:

Carla disse...

Nossa, realmente é um grande "causo"... que coincidência, hein...
Beijinhos...

Bçpgue da Magui disse...

Realmente Deus ouviu as preces dele. Pensa que Deus não ouve? Um cômico americano vivia dizendo que ia viver somente 100 anos.Falava isso a toda hora. Pois ele morreu no dia seguinte do seu aniversário de 100 anos.Como eu também falava isso passei a dizer 120.

Segunda Pele disse...

Deus ouviu suas preces! haha
Mas de nada importa onde os corpos ficam, e sim onde as almas estão.

Beijos pra vc, e já que não posso dizer bom finados... Bom feriadão! hahah

Yvonne disse...

Carla, fiquei impressionada. Seu avô decididamente falou pela boca de um anjo. Um ótimo feriado para você. Beijocas bem gostosas

Loira em Fuga disse...

Não é coincidencia!!!
Vc sabe disso ne??

B-jussss

Carol disse...

HAiaUhahaiAUh

eu já conhecia =PPP
e ainda lembro de eu fingir chorar no cemitério! xP

Flávia Nogueira disse...

NOSSA! Impressionante mesmo. É, tudo o que a gente pede, com muita fé, acontece mesmo. Por isso é bom pensar direitinho nos pedidos...
Beijos e eu te desejo muita saúde e paz.

clara disse...

Delicadezas da vida... (ou seria da morte?) Bacana!

Se houvesse uma enquete pra premiar o post + pertinente do feriado, seria o seu. Certeza!

Saia Plissada disse...

Que viagem... gostei dq tb, viu?
bjs e obrigada pela visita.

marcia kawabe disse...

Eu pensei que não existisse cemitério pior do que em Diadema, mas parabéns Carapicuíba ganhou disparado, hehehe!

bjs

Cris Bomfim disse...

E que história de finados! Eu diria que o amor nao deixou que eles ficassem longe...

Adorei aqui também e já coloquei um link la no meu blog
Beijo